Projecto

Carcavai Greenway é um projeto que pretende desenvolver uma lógica local de educação ambiental assente no envolvimento dos cidadãos na valorização do território. Centrado na rede hidrográfica da Ribeira de Carcavai, o projeto pretende, além de ações de monitorização, desenvolver iniciativas fundamentais para que o principal eixo desta ribeira possa ser transformado num greenway ou corredor verde, que permita a continuidade espacial e conservação da biodiversidade em todo o território, bem como uma adequada integração com o desenvolvimento das atividades humanas e dos aspetos culturais a ela associados, nomeadamente na sua passagem pelo meio urbano de Loulé e noutras zonas habitadas ou de interferência humana direta no ordenamento do território. Serão desenvolvidas ações em torno dos ecossistemas aquáticos e ripícolas, segundo as tipologias definidas no Aviso n.º 3771-B/2018 "Educação Ambiental+Sustentável: Repensar Rios e Ribeiras". Para além da sensibilização ambiental que será realizada junto das escolas e do público em geral através de campanhas de comunicação e de uma plataforma digital dedicada, pretende-se garantir a participação ativa e passiva do público, através de um concurso de ideias, duas conferências, uma exposição, um vídeo e um guia digital, entre outras ações. Pretende-se também obter um efeito multiplicador, através de iniciativas que gerem um efeito disseminador do conhecimento, nomeadamente ações de formação e workshops.

Objetivo geral
Na perspetiva da valorização do território, enquanto elemento central do projeto, pretende-se iniciar uma caracterização do corredor ecológico da Ribeira de Carcavai, promovendo ações de sensibilização, formação e divulgação, de forma a abrir caminho para a implementação futura de uma estrutura verde, com limpeza, renaturalização e preservação do leito e das margens e consequente instalação de uma via pedonal e ciclável entre Loulé e a foz da ribeira. Na vertente educativa pretende-se sensibilizar para os serviços que este ecossistema ripícola presta à humanidade em termos de provisionamento, de regulação, de suporte e de cultura, não só na sua componente aquática, mas também nas suas margens, já que nos sistemas ribeirinhos estas têm um papel primordial no controle do escoamento hídrico, dos sedimentos, interceção de nutrientes, redução de processos erosivos, aumento da biodiversidade e valorização estética da paisagem.

Objetivos específicos
• Sensibilização ambiental e envolvimento ativo de escolas, autarquias, organizações não governamentais e outras instituições públicas ou privadas, envolvendo-as nos objetivos específicos deste projeto através da adoção de troços ribeirinhos criando condições logísticas para que tal aconteça.
• Fomento de iniciativas de reflexão e debate, nomeadamente workshops e conferências, que constituam uma oportunidade de divulgação dos objetivos de desenvolvimento sustentável da Agenda 2030 das Nações Unidas (ODS), sobre os compromissos do Acordo de Paris e do Plano Nacional da Água, enquadrando-os na lógica da valorização do território, contemplada no ENEA 2020, e da preservação dos ecossistemas associados aos ecossistemas ribeirinhos envolvidos neste projeto, nomeadamente através um concurso de ideias promotoras da continuidade espacial e conservação da biodiversidade em todo o curso de água e a sua integração com o desenvolvimento da atividade humana nas diversas vertentes.
• Desenvolvimento de ações de monitorização ativa que sejam um garante da existência de condições para que as águas da Ribeira de Carcavai permaneçam de boa qualidade nos locais onde são usadas pelas comunidades e que o saneamento de águas residuais seja feito de um modo que não gere impactos negativos.
• Valorização, conhecimento e utilização adequada da estrutura ripícola na passagem pelo meio urbano e outras zonas de utilização humana, evitando que a ação humana inviabilize a sua sustentabilidade, fomentando, para isso, compromissos dos agentes económicos e das autarquias, no sentido do desenvolvimento de uma economia circular de valorização dos resíduos e preservação das estruturas ribeirinhas. Neste contexto, ainda que de modo marginal, o projeto trabalha a promoção de economias circulares, que não sendo um eixo deste programa, constitui um dos
pilares do ENEA 2020.
• Preservação da natureza, em particular da vegetação autóctone, mais adaptada às condições do solo e do clima do território, sendo, por isso, mais resistente a condições extremas do que as espécies introduzidas, ajudando a manter a fertilidade e o equilíbrio biológico das paisagens, bem como a diversidade dos recursos genéticos, constituindo importantes lugares de refúgio e reprodução para um grande número de espécies animais, muitas delas ameaçadas ou mesmo em perigo de extinção local.
• Remoção de espécies invasoras, através da compreensão de que a flora autóctone exerce um importante papel na regulação e melhoria do clima, bem como no sequestro de carbono da atmosfera contribuindo para a redução do efeito estufa e, consequentemente, para uma mitigação das alterações climáticas. Neste contexto o projeto trabalha a descarbonização, que não sendo um eixo deste programa, constitui um dos pilares do ENEA 2020.
• Capacitação de docentes e agentes de desenvolvimento locais, sobre a valorização dos ecossistemas ribeirinhos e para a fruição saudável e redução da pressão sobre os mesmos pelas comunidades e agentes económicos.

Equipa