Locais

Ribeira do Carcavai

O nome desta ribeira tem variado ao longo dos anos nos mapas topográficos, sen-do inicialmente designada por Carcava e, mais recentemente, por Carcavai. Na zona de Loulé, cidade atravessada por um dos ramos da ribeira, ela é conhecida por Cadouço ou Cadoiço. Ambos estes termos referem-se a canais, pegos ou covas abertos por águas revoltas nas rochas do leito de uma ribeira.
A metade inferior da bacia hidrográfica, correspondendo essencialmente a terrenos arenosos e cascalhentos do Litoral, é caracterizada por uma densa rede de linhas de água. Na metade superior predominam os terrenos calcários do Barrocal onde a densi-dade de linhas de água é menor.Pode-se considerar que a ribeira possui 2 ramos principais que confluem na zona da Franqueada. O ramo mais a poente inclui as ribeiras de Vale da Rosa e de Alfeição, enquanto para nascente se localiza a Ribª do Cadoiço, sendo este o ramo mais extenso. Todas estas ribeiras se originam nas vertentes de uma cumeada de cerros do Barrocal situada a norte de Loulé, 5 dos quais culminam acima dos 300 m: Alfeição (324 m), Cruz da Assumada (337 m), Santa Luzia (328 m), Altura (360 m) e Cabeça Gorda (367 m).Popularmente, a origem da Ribª do Cadoiço é atribuída ao Olho de Água, exsur-gência de carácter intermitente situada a nordeste de Loulé, na zona do Paixanito. Na verdade, o volume do caudal da ribeira só aumenta muito significativamente quando esta nascente rebenta, o que apenas sucede após um período de chuvas intensas. Mas, seguindo os critérios que constam do Anexo 1, a Ribª do Cadoiço tem a sua verdadeira origem no Cerro da Cabeça Gorda, concretamente no barranco mais a poente que nasce a 340 m de altitude, de acordo com a edição mais recente (2006) da carta militar 1:25.000 (Folha 597). Assim, entre a sua origem no Cerro da Cabeça Gorda e a foz noTrafal, a Ribª de Carcavai percorre cerca de 19 km. A saída directa para o mar é geral-mente impedida por uma barreira arenosa, sobretudo em épocas de seca ara além do Olho de Água do Paixanito, diversas outras nascentes surgem dentro desta bacia hidrográfica. Em primeiro lugar deve referir-se a existência de várias nascen-tes no interior do actual casco urbano de Loulé, o que permite a manutenção do caudal da Ribª do Cadoiço, mesmo em anos de seca extrema como aconteceu em 2017. Uma destas nascentes, situada sob a zona da Praça da República, alimenta a Fonte das Bicas Velhas, a partir da qual se origina o chamado Talvegue d’el-Rei, o primeiro afluen-te da margem direita do Cadoiço a jusante da cidade.

A nascente mais célebre, de água ossivelmente provenientes da zona sudeste de Loulé, é a Fonte do Cadoiço, exsurgên-cia natural situada junto à entrada sul da cidade e que deu o seu nome à ribeira que a atravessa. Na zona nordeste, situa-se a bem conhecida Fonte da Cássima. Ao longo do resto da bacia hidrográfica surgem outras nascentes e fontes como por exemplo a Nora dos Velhos e o Poço Geraldo, no ramo da Ribª de Alfeição, a Fonte da Alface, no ramo da Ribª de Vale da Rosa, a nascente da Goncinha, cujas águas alimentavam as azenhas aí existentes, ou a Fonte Coberta, já no troço final da Ribª de Carcavai.
A Ribª do Cadoiço possui actualmente um percurso subterrâneo com cerca de um quilómetro de extensão através da zona central de Loulé, infraestrutura construída no último quartel do séc. XX. Subsistem ainda alguns vestígios do antigo percurso a céu aberto, nomeadamente a ponte na Rua Eng. Duarte Pacheco sobre a actual Rua do Ribeiro da Graça, designação outrora aqui atribuída à Ribª do Cadoiço.
Uma outra característica assinalável desta ribeira é a existência, sobretudo a sul da cidade de Loulé, de algumas zonas com declive acentuado, que nalguns pontos chega aatingir mais de 10%, nomea-damente a sul da Ponte do Álamo. Daí a profusão de pegos, pequenas cascatas e até de duas importantes que-das de água. A primeira, loca-lizada sob a ponte na entrada sul de Loulé um pouco a mon-tante da Fonte do Cadoiço, apresenta um desnível de 5 metros. A segunda, conhecida localmente por Catarata, situa-se cerca de um quilómetro mais a jusante, alcançando uma altura de 8 metros, o que faz dela uma das maiores quedas de água do Algarve.